Bohemian Rhapsody


versão para a canção do Queen

 
Isso que a vida traz
Guardado para mim
Não quero ouvir mais
Quero estar bem longe daqui
Olho pra trás É fácil dizer adeus "Sai dessa vida Não tem que ser assim" Mas eu nem sei como começar Alguém tem que me ajudar A brisa vem do mar Anunciar o meu fim O meu fim Mãe, matei um cara O bandido estava armado Mandei bala no safado Mãe, eu também fui ferido Mas de que adianta, sei que agora é tarde Mãe, eu não quero te ver chorar Se eu não voltar também não fique triste Melhor deixar para lá Esquece que este filho existe Não sei o que vai ser Da minha vida sem você Não vou mais poder te ver Tchau pra todo o mundo Vou dar no pé Largar tudo e ir até onde puder Mãe, eu não queria morrer
Sem descobrir pra quê que eu fui nascer Acho que ainda dá tempo de eu fugir Se eu correr por aqui Vou parar num barranco Tudo que é malandro Vem correndo atrás de mim (O trem tá feio) O trem tá feio (O trem tá feio) O trem tá feio O trem tá feio para mim (vai se fuder!) Se eu pudesse voltar atrás (Se alguém pudesse encontrar algo mais Espero que ao menos tenham compaixão de ti) A polícia chegou, foi você que chamou? (Polícia! Não, acho que ainda é pior!) ((É pior!)) (Milícia! Então, você nunca ajudou!) ((É pior!)) (Milícia! Você nunca ajudou!) ((É pior!)) Nunca ajudou ((É pior!)) Nunca, nunca, nunca, nunca Nunca ajudou Não, não, não, não, não Nem mesmo a Virgem Maria Nem o Cristo Redentor Teriam juntos conseguido me tirar daqui
Daqui, daqui Essa é só uma das voltas que a vida dá Você pensa que eu não sei que vão me matar Não sou besta Sei o que me aguarda Só queria falar Só queria falar outra vez Nada mais importa É chegado o fim Nada mais importa Nada mais importa
Pra mim

Amanhã


versão para a canção do Guilherme Arantes

 May tomorrow
 Be a beautiful day
 All the mad happiness
 You could ever think of
 Come tomorrow
 May our strength be doubled
 Upwards and ceaselessly
 It shall always grow
  
 Mysteries
 Won't survive tomorrow
 Above what's illusory
 The Sun King will shine bright
 And tomorrow
 The luminosity
 Regardless to anyone's will
 Will be reigning
  
 In tomorrow
 Lies everyone's hopes
 Even the tiniest ones
 That exist and must thrive
 For tomorrow
 In spite of today
 There will come forth a road
 We shall thread in
  
 And tomorrow
 Though some just don't want to
 Belongs to those who'll wait 'til
 The break of the new day
 When tomorrow
 Hatred has been soothed
 Fear has been smoothed over
 Will be plenty
 Will be plenty
   

Ok, Let’s do it – Part 1

Ok, let’s do it.

It was about the seventh time my friend W. W. insisted that I joined him in the night philosophy course held by some obscure not-church run association.

It was all he learned about it, since he first invited me. Then he knew nothing and totally didn’t care. I had plenty of good reasons for staying out that foolish attempt to socialize with younger people, being this his only reason in. He was not ashamed of it at all.

I could have told I was never really into socializing but he knew that already, and for years tried unsuccessfully to change my ways.

He also knew that my philosophical distresses belonged in the past and that, rather than confident, I would be uneasy among less learned people. And ashamed, of course, that my intentions and his were seen as one and the same.

But he appealed to my loyalty to an old friend, newly divorced, so I had to appeal to something higher, my utter rejection of anything minimally resembling religion.

After feebly putting away that risk, that they would be twisting logical arguments to undermine human reasoning capacities and come out with some sort of mystic solution, he didn’t offer me any more details on the whole thing.

Although I knew the reason I was doing it, I was as much surprised as he when I said yes, let’s do it.

He looked at me quite intrigued but no question came out of his mouth. I thought he preferred not to ask me why I have changed my mind in fear that I would back down. But I’m almost sure now that the look in his eyes, and the way he hugged me, meant he was aware of my motivation then.

The Rain, It Won’t Stop – Pt. 1

I was about to leave the party after a short stay and a brief conversation. I stood in the hallway for a few seconds, watched the rain outside and decided. It was already stopping but it wouldn’t soon, and I have always enjoyed walking in the rain. Even though there would be no one around to rush me in, hold my head beneath the towel, scold me for always not hearing but ruining all those educational efforts by giving me the best reward, a hot cup of cocoa. “I must have some cocoa powder, I can’t avoid buying it but I never take the time to enjoy having it.” That thought gave me the final reason and set me in motion.

I don’t remember if it was her calling or her touching my shoulder that stopped me.

(Are you) The one I’ve been waiting for?


versão livre para a canção do Nick Cave and the Bad Seeds

Da fé que eu comunguei, do que eu sabia
Se uma certeza resta, é saber que és minha
Será destino, será só fantasia O que imagino ver também em teu olhar? Me dá um sinal, eu preciso saber
Será que um dia vou te conhecer?
Acho bem triste não poder
Mas falta pouco e estou certo
Que essa longa espera vai valer a pena
E que tudo é real
Eu sento e espero o inverno passar E finalmente vou te conhecer
Sempre triste e sozinho eu vivi
Alegria senti quando eu te vi
Desde a primeira vez senti que tudo vai mudar
E a tristeza há de acabar
Não interessa o quanto eu sofri
Pois sei que um dia vou te conhecer
Parece insano, não é?
Amar alguém sem porquê
Mas o que eu posso fazer
Exceto amar e esperar?
Se alguém te prometeu um mundo e não cumpriu
Saiba que embora pouco, meu mundo pode ser seu 
Eu sei que ainda há tempo, então me dá só um minuto
Para dizer o que eu sinto por você e mostrar Sinto nas veias que vão ao coração Que algum dia vou te conhecer Sei que algum dia eu vou te conhecer