Lula e Bolsonaro

Não se trata de um post sobre a política brasileira atual. Não há espaço para isso nesse blog sobre ideias.

Tampouco interessa-me a polarização sobre qualquer assunto e o título diz Lula e Bolsonaro, e não Lula x Bolsonaro.

O que pretendo é propor uma reflexão sobre uma determinada hierarquia que imagino deva ser observada tanto entre as ideias e como entre aqueles que as concebem e defendem. Assim como há ideias grandiosas e também mesquinhas, haverá pessoas mais ou menos relevantes.

As grandes ideias somente são assim percebidas, em sua plenitude e importância, sob uma perspectiva histórica. Podem até já nascer taludas, a depender do tempo e das circunstâncias a que servem de resposta, mas podem também nascer pequenas e crescer à medida em que permanecem puras, intactas, válidas e aplicáveis.

Grandes ideias, enfrentando e sobrevivendo à inexorável erosão dos séculos, inspiram grandes homens e mulheres a desempenhar feitos notáveis e admiráveis, bem como servem de referência e agrupam pessoas a seu redor.

Tomemos o exemplo da democracia Americana. Os ideais libertários, igualitários e humanitários que a infirmaram, enunciados e defendidos à época, continuam se fazendo ouvir, pois ainda são invocados pelos atuais líderes, sem deixar de fazer referência aos líderes que no passado os definiram.

Já no Brasil, o que vemos? Um país em que o culto à personalidade é tão forte, não cultua a personalidade e as ideias de nenhum vulto histórico?

Será que não existe alguma ideia na nossa história cuja grandeza seja reconhecida por toda população como ideal a ser defendido com afinco ou ninguém que possa ser identificado como o personagem histórico que a tenha concebido ou defendido?

Serão Lula e Bolsonaro os fundadores da nossa Pátria?