KARL X CHARLES Pt. 2

Admitindo não ter conhecimento profundo de uma ou outra obra, pretender fazer uma crítica ao pensamento marxista a partir de uma ótica darwinista é, sem dúvida, uma grande ousadia.

Ainda maior por acreditar estar suscitando questões que, apesar de me parecem óbvias, inclusive em suas consequências, reputo inexplicavelmente inéditas.

Darwin e Marx apresentaram novas formas de enxergar o mundo.

Por óbvio, não tiraram suas ideias do nada, pelo contrário, estudaram exaustivamente os que os precederam e também participaram ativamente da comunidade científica e dos debates, em suas respectivas áreas de interesse.

Conseguiram trazer originalidade e consistência em suas proposições, sintetizando robustos corpos de conhecimento, marcos referenciais para o desenvolvimento posteriormente observado.

Ao aplicar o método dialético ao materialismo histórico, Marx chegou a uma visão que ainda se sustenta: o modo como, em determinado momento histórico os fatores de produção (matérias primas, força de trabalho, ferramentas, processos produtivos, conhecimento acumulado) se relacionam para propiciar a atividade econômica (transformação e circulação de recursos) traz em si próprio as contradições (inconsistências, insustentabilidade face ao aumento populacional ou ao esgotamento de recursos, dificuldades tecnológicas, interesses divergentes) que implicarão em sua superação.

Partindo do conhecimento diacrônico de outras sociedades, alguns historiadores europeus já haviam abstraído uma nova concepção da História, calçada nas regularidades observadas. A História deixa de ser uma crônica das dinastias, dos personagens ilustres, das batalhas épicas e dos feitos heróicos, escrita com propósitos quase sempre laudatórios.

A observação de padrões nos acontecimentos registrados em um número cada vez maior de civilizações com que os europeus faziam contato em sua expansão global acendeu a ideia de que, a exemplo do que acontecera com o conhecimento do mundo natural, também as sociedades humanas regessem-se por leis atemporais.

Deduzí-las, enunciá-las, fundamentá-las e comprová-las passou a ser a obstinação, o Santo Graal, a razão de ser e a afirmação das ainda incipientes Ciências Sociais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s