Amanhã


versão para a canção do Guilherme Arantes

 May tomorrow
 Be a beautiful day
 All the mad happiness
 You could ever think of
 Come tomorrow
 May our strength be doubled
 Upwards and ceaselessly
 It shall always grow
  
 Mysteries
 Won't survive tomorrow
 Above what's illusory
 The Sun King will shine bright
 And tomorrow
 The luminosity
 Regardless to anyone's will
 Will be reigning
  
 In tomorrow
 Lies everyone's hopes
 Even the tiniest ones
 That exist and must thrive
 For tomorrow
 In spite of today
 There will come forth a road
 We shall thread in
  
 And tomorrow
 Though some just don't want to
 Belongs to those who'll wait 'til
 The break of the new day
 When tomorrow
 Hatred has been soothed
 Fear has been smoothed over
 Will be plenty
 Will be plenty
   

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRIMEIRA AULA

Prezado Professor Desidério,

Cumprimento-o encantado pela clareza e objetividade de sua exposição. Sua abordagem vem totalmente ao encontro das minhas expectativas.

Uma de minhas dificuldades no estudo da Filosofia é justamente o apego de setores da Academia a discussões datadas e marcadas por conceitos que merecem revisão face ao inegável avanço do conhecimento.

Tomemos, por exemplo, o conceito de verdade. Ora estamos a falar da realidade propriamente dita, externa e objetiva, e neste ponto podemos apenas ponderar se algo realmente existe, se é apreensível e inteligível pelo aparato sensorial-cognitivo que nos dotou a evolução biológica; ora estamos a falar da conformação dos discursos que se produzem a respeito daquela realidade inicial.

Entendo que a reconciliação entre ambos aspectos somente é possível por meio de um terceiro aspecto ou dimensão da realidade que é a sua caracterização como construto social. É a aceitação pelo grupo que irá conferir validade a qualquer discurso, independentemente de qualquer critério de validação lógico-formal.

Isso explicaria porque, em pleno século 21, ainda temos que lidar com verdades dogmáticas, sejam elas de cunho religioso, ideológico ou qualquer outro que pressuponha ou aceite a existência de “donos da verdade”.

Apontaria também, quiçá, se me permite a ousadia, uma resposta possível para a perplexidade face à puntualidade da eclosão do pensamento científico racional, embora talvez só faça remeter à perplexidade consagrada diante do surgimento do pensamento Grego como um todo: o surgimento de uma forma de explicar o universo e seus fenômenos que substitui assertivas desprovidas de compromisso com a verificação sistemática das relações de causa e efeito, observação sistemática, repetitiva e reproduzível de eventos, acúmulo e registro sistemático desses esforços para referência futura e mola propulsora no binômio curiosidade e possibilidade de falseamento somente seria possível em um ambiente em que existisse também o embrião da Democracia.

Não à toa, creio, quando atenta-se ao pensamento e método científicos, está-se também a violar e a por em risco esta última.

Até a próxima aula!

P.S. Ato falho de minha parte não mencionar o aspecto ou dimensão do conceito de verdade central no contexto da lógica formal. Entendo que privilegiando sua aplicação às narrativas, raciocínios, discursos e argumentos podemos filtrar aqueles que não se sustentam sequer logicamente, independentemente de qualquer verificação fática.

O professor Desidério Murcho inicia hoje um curso que talvez interesse aos leitores deste blog

Segue mensagem do Professor, que tomo a liberdade de reproduzir para divulgar:

“Queridos alunos

Muitas pessoas me fizeram perguntas sobre os conteúdos do curso remoto que começa amanhã, pelo que resolvi enviar estes esclarecimentos para todos ao mesmo tempo.

Os conteúdos do curso correspondem em parte ao que por vezes se chama “Pensamento Crítico”, que foi um movimento e uma expressão que surgiu nos EUA na década de 70 do século passado. Há inúmeros livros sobre o tema, porque quase todos os cursos universitários, nos EUA, tem uma cadeira de pensamento crítico.

A ideia principal aqui é aprender a pensar melhor. Claro que pensar melhor tem um impacto imenso nas nossas vidas, seja quando tomamos decisões, seja quando assumimos posições acerca de questões políticas, sociais ou filosóficas. Porém, as abordagens mais comuns à aprendizagem do pensamento crítico não são inteiramente apropriadas, do meu ponto de vista — e isso é algo que no decorrer do nosso curso se tornará patente.

O que faremos, então, é usar os últimos desenvolvimentos da lógica e da psicologia cognitiva para oferecer orientações práticas que nos ajudem realmente a pensar melhor. O primeiro passo para isso é compreender, por um lado, vários aspetos lógicos e epistemológicos do raciocínio dedutivo e indutivo (os únicos dois tipos principais de raciocínio discursivo), e, por outro, vários aspetos epistemológicos sobre o raciocínio e o papel que este desempenha nas nossas vidas. Por último, estes dois aspetos não têm grande aplicação prática caso se desconsidere o que se sabe hoje sobre os muitos vícios humanos associados ao raciocínio, e sobre o que conseguimos fazer para limitar drasticamente esses vícios.

Espero que estes esclarecimentos sejam úteis. O curso não pressupõe qualquer formação filosófica ou lógica prévias.

A primeira aula é já amanhã, segunda-feira, às 20:00 horas de Lisboa, 16:00 horas de Brasília. Decorre às segundas e terças-feiras, durante todo o mês de Junho. O preço do curso é de 40 euros (210 reais). Para se inscrever, basta fazer uma transferência nesse valor e enviar-me o comprovante por email (desiderio.murcho@icloud.com). Dados para fazer a transferência:

— Euros —
Wise: BE26 9671 6525 5529.
IBAN: PT50003300000009836207505.
NIB: 0033 0000 000 983 620 75 05 (Millennium BCP).

— Reais —
PIX: 017.459.406-26 (CPF).
Conta-corrente do Banco do Brasil: 19.742-4; Agência: 0473-1 (Ouro Preto).

Caso tenham qualquer dúvida, não hesitem em contactar-me: desiderio.murcho@icloud.com.”

Desidério Murcho https://g.co/kgs/9UeFpB

The joke was on me (and it is not funny anymore) – Pt. 1

He has got three wonderful kids ranging now from 12 to 16 years old, whom I truly love.

I brought lovely Suzanne my acoustic 12 string guitar for her twelveth birthday.

That was the last physical connection I had left with music and I could see undisguisable envy in both Leonard’s and Nick’s eyes. So I embraced my elder nephew close as we watched her open the guitar case and I whispered.

“You’ve got to be patient while teaching her, I won’t be around much anymore. And don’t be jealous, you’ve got in all 18 strings…”

He smiled back at me and squeezed my arm around him as if to make that embrace last.

As to Leonard’s, well, it is far more complicated… His envy now had already shifted to me hugging Nick. And the whispering, of course.

“How is it with the old man? You should give him a break…”

We cracked laughing. Suzanne joined our hug at the same time Leo Jr. crossed the open front door to the sound of his falling bike.

I turned around in time to catch a glimpse of Leonard trying to avoid Claire’s hug, which at that time might have sounded as a consolation prize.

He might as well have taken it.

KARL X CHARLES Pt. 2

Admitindo não ter conhecimento profundo de uma ou outra obra, pretender fazer uma crítica ao pensamento marxista a partir de uma ótica darwinista é, sem dúvida, uma grande ousadia.

Ainda maior por acreditar estar suscitando questões que, apesar de me parecem óbvias, inclusive em suas consequências, reputo inexplicavelmente inéditas.

Darwin e Marx apresentaram novas formas de enxergar o mundo.

Por óbvio, não tiraram suas ideias do nada, pelo contrário, estudaram exaustivamente os que os precederam e também participaram ativamente da comunidade científica e dos debates, em suas respectivas áreas de interesse.

Conseguiram trazer originalidade e consistência em suas proposições, sintetizando robustos corpos de conhecimento, marcos referenciais para o desenvolvimento posteriormente observado.

Ao aplicar o método dialético ao materialismo histórico, Marx chegou a uma visão que ainda se sustenta: o modo como, em determinado momento histórico os fatores de produção (matérias primas, força de trabalho, ferramentas, processos produtivos, conhecimento acumulado) se relacionam para propiciar a atividade econômica (transformação e circulação de recursos) traz em si próprio as contradições (inconsistências, insustentabilidade face ao aumento populacional ou ao esgotamento de recursos, dificuldades tecnológicas, interesses divergentes) que implicarão em sua superação.

Partindo do conhecimento diacrônico de outras sociedades, alguns historiadores europeus já haviam abstraído uma nova concepção da História, calçada nas regularidades observadas. A História deixa de ser uma crônica das dinastias, dos personagens ilustres, das batalhas épicas e dos feitos heróicos, escrita com propósitos quase sempre laudatórios.

A observação de padrões nos acontecimentos registrados em um número cada vez maior de civilizações com que os europeus faziam contato em sua expansão global acendeu a ideia de que, a exemplo do que acontecera com o conhecimento do mundo natural, também as sociedades humanas regessem-se por leis atemporais.

Deduzí-las, enunciá-las, fundamentá-las e comprová-las passou a ser a obstinação, o Santo Graal, a razão de ser e a afirmação das ainda incipientes Ciências Sociais.

EARLY BIRDS

Lost dewdrop from a sparrow’s beak
Feel like
Feels like
Feels like I’m always missing something


Dark cloudburst on the horizon
Feel like
Feels like
Feels like I’m always expecting for something
Deprived of my feelings Feel like Feels like Feels like I’m always missing the poignant Stray dog fed up with bones Feel like Feels like Feels like I'm always expecting for someone
I know it doesn’t show I know you don't believe Still I’m always missing you Still I’m here waiting for you

O TRABALHO – Pt.1


investigação sob uma ótica evolucionista

surgimento

Podemos identificar o processo evolutivo da raça humana, sem aprofundar a especulação sobre suas causas ou a investigação sobre os mecanismos que o tornam possível, com a diversificação e crescente complexidade das atividades que consegue executar.

Hoje a palavra trabalho aplica-se a uma vasta gama da atividade humana: tanto é usado para designar o trabalho braçal (labor, em latim), quanto o trabalho artístico e intelectual (opus); tanto trabalho remunerado quanto trabalho voluntário; tanto o trabalho subqualificado, informal e mal pago quanto o trabalho formalizado e protegido sob as leis trabalhistas ou estatutos do serviço público.

Trabalho infantil, trabalho escravo, prostituição, ainda que mazelas, não deixam de participar do conceito de trabalho, assim como a prática desportiva, religiosa, política, artística.

À parte as atividades relacionadas ao ócio, ao lazer e a cuidados pessoais, apenas àquelas atividades manifestamente ilegais nega-se a denominação de trabalho, em que pese o profissionalismo, o empenho, a expertise, a dedicação e a habitualidade dos que a elas se entregam.

Mas podemos imaginar um estágio inicial em que todas as atividades de nossos ancestrais representavam esforços de sobrevivência, incluindo busca de alimentos, proteção contra intempéries e outros animais e reprodução, esta última entendida como sobrevivência não do indivíduo, mas da espécie.

Por “nossos ancestrais” não me refiro especificamente aos primeiros hominídeos a se destacarem dos outros primatas, ou dos primeiros primatas, ou primeiros mamíferos, ou vertebrados, mas a qualquer ponto em que retornemos na cadeia evolutiva.

Os primeiros seres vivos e os que os seguiram, durante bilhões de anos, consumiam os recursos basicamente no estado em que eram encontrados na natureza, sem aplicar-lhes qualquer transformação externa significativa. Tampouco os utilizavam na obtenção de outros recursos, ou seja, como ferramentas.

Ao começar a modificar os recursos naturais de modo a torná-los mais disponíveis, abundantes, úteis e adequados às suas necessidades, nossos ancestrais dão início à era tecnológica. Cada melhoramento introduzido garantia uma vantagem evolutiva, realimentando de alguma forma e acelerando o processo.

Esta é uma mudança significativa nos mecanismos da evolução: além da interação passiva com o meio ambiente, que resulta em modificações lentas nas espécies, passa a existir uma interação ativa, que explica a aceleração do processo evolutivo da raça humana.

Paradoxalmente, ao mesmo tempo em que a diversificação das atividades liberta nossos antepassados, de certa forma, da luta constante pela sobrevivência, cria as condições para toda a sorte de exploração da capacidade de realização alheia e expropriação de recursos acumulados por outrem.

Explico melhor. A luta pela sobrevivência, grosso modo, igualava os indivíduos. Os recursos obtidos eram imediatamente consumidos. Se fossem escassos, poderiam ser objeto de disputa e expropriação. Se fossem abundantes, eram compartilhados, para não se perderem. Alguns só eram conquistados por meio do esforço coletivo.

Relações de competição e de cooperação emergem nesse cenário, e também evoluem, passando a constituir as complexas relações sociais que caracterizam as comunidades humanas, mesmo as primitivas.

A busca por excedentes, plenamente justificável pela ótica da garantia da sobrevivência, dá origem à necessidade de proteger esse excedentes, à cobiça, ao roubo, à ganância, à Economia, em síntese.

Nesta visão, o trabalho se origina na medida da diferenciação das atividades a que se entrega um ser humano para garantir a sua sobrevivência e do seu grupo familiar frente aos demais e dos resultados, qualitativa e quantitativamente apreciados dessas atividades.

Em outras palavras, a atividade humana só passa a ser considerada trabalho se gerar excedentes ao imediatamente consumível e se o resultado do esforço for qualitativa ou quantitativamente diferente a depender de quem o empreenda. Somente nessas condições cria-se o gradiente necessário aos fluxos de recursos que o caracterizam.

KARL X CHARLES Pt. 1


Durante cerca de 64 anos, de 1818, nascimento de Marx, a 1882, morte de Darwin, o mundo contou com a presença simultânea de dois dos maiores pensadores de sua história.

Ousaram dar explicação a temas de abrangência universal: um, à diversidade de formas de vida existentes no planeta; outro, à diversidade de formas que a sociedade humana pode assumir.

Independentemente de qualquer análise crítica, as teorias, propostas na segunda metade do século XIX, tiveram impacto imediato e fizeram sentir sua força ao longo do século seguinte.

Poder-se-ia supor que os modelos propostos revelassem semelhanças, afinidades, legitimação mútua. Poder-se-ia esperar que houvesse contatos, colaboração, comentários recíprocos, não apenas entre seus formuladores, mas também entre seus seguidores.

Em algum momento, Marx chegou a vislumbrar nas teorias darwinistas uma fundamentação na chamada História Natural para sua concepção materialista dialética da História (Humana).

Darwin, ao contrário, não parece ter se impressionado ou particularmente interessado pelas teses marxistas. Talvez porque não pensasse a evolução das espécies como um aperfeiçoamento inevitável, em uma direção previsível, em um processo de certa forma predeterminado. Preferia o termo “seleção natural”, como no título de sua obra máxima: “A Origem das Espécies por Meio da Seleção Natural, ou Preservação das Raças Favorecidas na Luta pela Vida”

Por esse motivo, dou preferência ao termo “darwinismo”, evitando a conotação algo positivista do termo “evolucionismo”

O desenvolvimento e os desdobramentos do pensamento de cada um seguiu caminhos próprios, não resultando em síntese ou confronto significativos.

Atualmente, o poder explicativo das teses marxistas encontra-se debilitado pelo fato de que, apesar de amplamente debatidas, revistas, reformuladas, seja no seio acadêmico, seja no campo político e ideológico, não terem incorporado respostas para o fracasso histórico do socialismo real.

Já o darwinismo, apesar de amplamente difundido como visão de mundo subjacente às sociedades modernas, ressente-se de não ser levado às últimas consequências, por ter ainda que coexistir, na consciência coletiva, com a visão de mundo criacionista.

A esse respeito, ressalto que a dificuldade acometeu o próprio Charles Darwin: abandonar o criacionismo sem abandonar a ideia da necessidade de existência de um ser criador.

Admitindo não ter conhecimento profundo de uma ou outra obra, pretender fazer uma crítica ao pensamento marxista a partir de uma ótica darwinista é, sem dúvida, uma grande ousadia.

Ainda maior por acreditar estar suscitando questões que, apesar de me parecem óbvias, inclusive em suas consequências, reputo inexplicavelmente inéditas.

(It’s) THE MOUNTAIN (not the climb)

fantasy over Miley Cyrus’s The Climb

in Monty’s loving memory

Soon I will be gone. Soon it will be over. A voice inside my head says “You’ll never make it”.

Sometimes I’ve been a party, mostly I’m sad though.

Wish that voice was clear enough and told me what to do.

*Got to pick up your shit and hide it from the world cuz by the end of the night nobody seems to care.”

There’s always someone there to tell you what you’ve done wrong, a lot of things they say as if they only knew.

There’s no one ever there with whom I could share, so I turn on the stereo…

Miley Cyrus’s The Climb playing on the radio.

Titanium

Se você grita, eu não consigo escutar
Se algo te irrita, melhor falar

Você critica, mas tudo volta para você
Você atira no que não vê

Balas perdidas, frases soltas
Não vão me atingir

E o ricochete sempre volta
Melhor se proteger

Não sou de aço ou de titânio
Sou forjada na dor

Não sou de aço ou de titânio
Sou forjada na dor

Você me cobra
Você é que tem o que explicar

Ou então
É melhor calar

Subir o tom
Xingar, bater, ameaçar

Não vai dar bom
Melhor parar

Balas perdidas, frases soltas
Não vão me atingir

E o ricochete sempre volta
Melhor se proteger

Não sou de aço ou de titânio
Sou forjada na dor

Não sou de aço ou de titânio
Sou forjada na dor

Estou com a impressão
Que agora é chegado o fim

Vou começar
A cuidar de mim

Não sou de aço ou de titânio
Sou forjada na dor

Não sou de aço ou de titânio
Sou forjada na dor

E o ricochete sempre volta
Melhor se proteger

Não sou de aço ou de titânio
Sou forjada na dor

Versão para a canção de David Guetta e Sia

Beware of War

Behind my desk, my barricade
I fill a page with words I treasure
No one will read them, I’m afraid
I’m writing just for my own pleasure

I write about what’s coming next
And how we’re part of evolution
Times, they are changing very fast
We live in constant revolution

Behind my glass, I’m unafraid
I’ve drunk enough to feel courageous
In house, in bed I should have stayed
A drunken soldier sounds outrageous

Behind my door armies are trained
People are urged to take part
They choose a side and then they start
To think with someone else’s brain


That would be great, I won’t deny
If people knew enough to choose
And when the time came to decide
They did not let themselves get used

Behind my years I may assure
Though we have blown many good chances
There's no need to look into the future
With shortsighted narrow-minded lenses