Arquivo da tag: Verdade

Verdade X Mentira

Não terá passado despercebido, no post anterior, a suposição implícita de que as capacidades de percepção, reflexão e comunicação aperfeiçoam-se em conjunto durante o processo evolutivo, atingindo o patamar mais alto na espécie humana.

Acrescente-se o adensamento e aprofundamento das relações sociais e temos o plano de fundo do surgimento do erro, do engano, do engodo, da mentira, enfim de todos os desencontros entre realidade, discurso e verdade.

Os primeiros exemplos de percepção da realidade por seres vivos eram tão imediatos quanto limitados. As estruturas responsáveis pela captação de dados do mundo exterior limitavam-se então a receptores químicos ou físicos, agindo por contato. As mesmas estruturas reagiriam a esse contato, desencadeando algum processo favorável ou desfavorável, repelindo ou absorvendo partes do mundo exterior, ou seja, da realidade.

Se a membrana de um ser unicelular percebe, quimicamente, a presença de uma substância necessária a algum processo interno, uma parte de sua estrutura reage permitindo sua absorção.

Tudo isso em uma reação imediata, sem reflexão, consciência ou qualquer processo cognitivo.

Toda informação é captada de forma inequívoca, gerando uma resposta unívoca e irrefletida.

A evolução desse conjunto, paradoxalmente, não traz mais certeza, mas sim incertezas ao ser senciente. Isto se explica porque cada vez parcelas maiores e mais distantes da realidade são captadas.

Conforme aumenta também a complexidade do ser vivo, vemos a separação das estruturas sensoriais daquelas que reagirão aos estímulos, bem como o surgimento de uma outra instância ou estrutura entre elas, capaz de processar os dados captados, associando a eles significados não imediatos, quais sejam, obtidos não por contato com a realidade, mas por dedução, abstração, pressuposição, generalização ou outro processo complexo ocorrido no interior do ser senciente, que passa a ser um intermediário entre a realidade e a sua representação, que se dá em forma de pensamento e, logo, de discurso.

Em cada momento desse processo pode haver distanciamento da realidade, e consequente perda do critério de verdade: na captação, no processamento (reflexão, interpretação, representação), na transmissão.

Estes desvios se dão, originalmente, por limitações nos nossos sentidos, na nossa razão, na nossa linguagem…

A repercussão, porém, destes primeiros erros no seio das relações intersubjetivas vai moldar e modular um complexo ambiente em que a verdade assumirá valores não apenas positivo e negativo, verdadeiro e falso, mas todo um gradiente de tonalidades.

Este processo de aprendizado de como lidar socialmente com erros, limitações, enganos, tem papel essencial na definição das formas de construção de relações de confiança, bem como no desenvolvimento das estratégias de sedução, de condução deliberada por caminhos que não correspondem à realidade, de manipulação.

A humanidade aprendeu a mentir em grande parte para esconder seus erros e limitações e logo aprendeu a obter vantagens com esses mecanismos.

Cada um de nós, em seu processo de socialização, de certa forma reproduz esse aprendizado. Ter clareza desse estado de coisas pode ser útil para moldar nossa sociedade mais apegada a conceitos aderentes ao conceito de verdade, como honestidade, responsabilidade coletiva, confiança e boa fé.

Realidade x Verdade

Um significado bem aceito para “verdade” é “a propriedade de estar conforme aos fatos ou à realidade”. Tão íntima é a relação que não poucas vezes confundimos, misturamos ou utilizamos os conceitos como sinônimos.

Talvez, em algum momento, verdade e realidade tenham sido uma coisa só, indistinguíveis. Enquanto os seres vivos desenvolviam os estágios iniciais da senciência, a capacidade de perceber conscientemente o que lhes acontece e ao seu redor, a realidade lhes era imediata. As impressões eram efêmeras, não guardando registros para comparações ou referências posteriores, quanto menos para compartilhar com outros indivíduos. Não havia pensamento ou discurso, portanto, apenas a realidade em si.

Aos poucos a capacidade de reter informação sobre a realidade para uso próprio no futuro, desenvolvida paripassu com capacidade de obtê-la e comunicá-la a seus semelhantes, dá origem ao conceito de verdade.

A informação retida, apesar de muito útil, nem sempre reflete a informação atualizada. Por exemplo, é bastante útil a um animal lembrar-se de onde encontrara água, para poder repetir o ato de matar sua sede. Um dia porém, este conhecimento revelar-se-á desatualizado. Associar aquele local à satisfação de uma necessidade básica não mais corresponderá à realidade. A distância temporal, que só existe de fato para seres com alguma capacidade de retenção de informações na memória, parece ser a primeira instância de distanciamento entre realidade e verdade.

Se a realidade muda, mas essa mudança não é percebida, temos apenas uma série de realidades distintas percebidas cada qual em seus próprios termos. Mas quando a realidade muda e essa mudança é percebida, surge a possibilidade de comparação entre os termos de duas ou mais realidades distintas, e o que era válido em um momento, em outro não é mais.

Neste ponto, a não-adequação do pensamento à realidade apenas denota a capacidade de compreensão do fenômeno da mudança pelo indivíduo.

Mas outro aspecto começa a ganhar importância, à medida em que os indivíduos desenvolvem a capacidade de comunicar a experiência que conseguem reter da realidade a outros da sua espécie.

A verdade passa a não estar mais nas coisas, nos fatos, eventos e seres da realidade objetiva em si mesmos, mas sim numa correspondência estabelecida, por meio de um discurso ou pensamento, entre a subjetividade cognitiva do intelecto animal e aquele mundo real, posteriormente transmitida em processos intersubjetivos.

Há um primeiro aspecto, referente ao conhecimento, à interação entre a subjetividade cognitiva do intelecto e o mundo real, permeada por várias camadas ou interfaces que atuam como filtros, como lentes, como véus, matizando, distorcendo, escondendo, prejudicando ou até impossibilitando a reconciliação entre a verdade e a realidade na mente do observador.

Entre o mundo real e o pensamento alinham-se os sentidos, por meio dos quais a mente pensante é abastecida de informações sobre o mundo exterior.

Percebam que tenho evitado adjetivar os processos de observação, conhecimento e pensamento como humanos. É preciso destacar que essas capacidades não foram dadas a espécie humana do jeito que se apresentam agora, vieram sim evoluindo junto com a evolução biológica de todo conjunto de espécies. É racional, portanto, supor que cada ser vivo as detenha em algum grau.

A maior diferenciação entre a espécie humana e as demais evidencia-se nesse momento, ao depararmo-nos com a sofisticação da comunicação entre os indivíduos. O desenvolvimento da linguagem é infinitamente superior na espécie humana, ainda que nem assim exclusiva dela.

A elaboração do discurso sobre a realidade defronta-se com a própria limitação linguística. É necessário criar todo um vocabulário e uma sintaxe para traduzir o mundo real, captado pelos sentidos e processado pela razão, de modo a permitir a comunicação das impressões individuais. Uma série de impropriedades configura-se inevitável…

As imagens que vimos com nossos olhos imperfeitos, a partir ir de nossa posição com ângulo de visão restrito, tratamos agora de deitar a telas de dimensões e formatos restritos, com tintas improvisadas e talento nem sempre comprovado.

Afora esta situação já desfavorável, de início, outras irão surgindo inevitavelmente, expondo os limites de nossos sentidos, intelecto, razoabilidade… e a falta de limites de nossas intenções…

Como encarar o desafio de reconciliar discurso e pensamento à realidade?

Como reconhecer e entender as dificuldades neste caminho de volta?

Como entender o discurso quando ele se afasta da verdade?