Arquivo da categoria: Lyrics

Os temas são basicamente os mesmos tratados transversalmente no blog, mas aqui assumem a forma de verso, na maior parte das vezes em língua inglesa.

Beware of War

Behind my desk, my barricade
I fill a page with words I treasure
No one will read them, I’m afraid
I’m writing just for my own pleasure

I write about what’s coming next
And how we’re part of evolution
Times, they are changing very fast
We live in constant revolution

Behind my glass, I’m unafraid
I’ve drunk enough to feel courageous
In house, in bed I should have stayed
A drunken soldier sounds outrageous

Behind my door armies are trained
People are urged to take part
They choose a side and then they start
To think with someone else’s brain


That would be great, I won’t deny
If people knew enough to choose
And when the time came to decide
They did not let themselves get used

Behind my years I may assure
Though we have blown many good chances
There's no need to look into the future
With shortsighted narrow-minded lenses

Travessia

Versão para a música do Milton Nascimento

Since the moment you parted
Night was set into my life
Never felt so broken-hearted
Wonder how will life go on
'Cause this house is not my home
There's just no place where I'd belong
I'm alone and I can't hold
Things I should have said and done

Down the road I will find out
Nothing can stop me now Stone by stone I will tread it Have no time left for doubt Breeze, it made up my dreams Wind put them to an end I will swallow my pain though I am willing to die As my life goes on its way I am starting to forget I no longer want to die There's a lot in life for me I may fall in love again But if it ends, there'll be no pain I will face my destiny With my both feet on the ground
Down the road I will find outNothing can stop me now Stone by stone I will tread it Have no time left for doubt Breeze, it made up my dreams Wind put them to an end I will swallow my pain though I am willing to die As my life goes on its way I am starting to forget I no longer long to die There's a lot in life for me
I may fall in love again But if it ends, there'll be no pain I will face my destiny
With my both feet on the ground

Sol de Primavera

Versão para a música do Beto Guedes

Comes September in
And good news will stroll around the fields
Wanna see forgiveness in bloom
Ev’rywhere it’s been sown
Together again
We have dreamt together
Sowing silly love songs in the wind
Now I wanna hear our voice rise
To what’s yet left to dream
We have cried a lot Many of us got lost along the way But it still pays off to invent One last whole brand new song One that shall bring to us The sunshine of springtime Open up the windows in my chest Now that we have read all the book Time has come that we learn We have cried a lot Many of us got lost along the way But it still pays off to invent One last whole brand new song One that shall bring to us The sunshine of springtime Open up the windows in my chest Now that we have read all the book Time has come that we learn

Song to the siren

versão para a música do Tim Buckley

À deriva em mar deserto
Tudo eu fiz para sorrir
Teu canto trouxe-me perto
De onde nunca mais saí
Em teu canto, tu dizias
"Abra as velas, vem a mim
Cá estou eu, cá estou eu a esperar-te"

Sonhei eu que me sonhavas
Era eu lebre e tu raposa?
Tolo barco, agora aderna
Acamado em praia eterna
Você canta "não me toques
Hoje não, quem sabe quando"
Em meu peito, envergonhado,
Se esconde meu coração
Tonto como uma ostra Confuso com a maré Preso na rebentação Entregando-me sem fé Ouço-te ainda a cantar "Venha a mim, quero abraçar-te Cá estou eu, cá estou eu a esperar-te"

Bohemian Rhapsody


versão para a canção do Queen

 
Isso que a vida traz
Guardado para mim
Não quero ouvir mais
Quero estar bem longe daqui
Olho pra trás É fácil dizer adeus "Sai dessa vida Não tem que ser assim" Mas eu nem sei como começar Alguém tem que me ajudar A brisa vem do mar Anunciando o meu fim O meu fim Mãe, eu matei um cara O bandido estava armado Mandei bala no safado Mãe, eu também fui ferido Mas de que adianta se agora é tarde Mãe, eu não quero te ver chorar Se eu não voltar também não fique triste Melhor deixar para lá Esquece que este filho existe Não sei o que vai ser Da minha vida sem você Não vou mais poder te ver Tchau pra todo o mundo Vou dar no pé Largar tudo e ir até onde puder Mãe, eu não quero morrer Sem sequer saberpquê que eu fui nascer Acho que ainda dá tempo de eu fugir Se eu correr por aqui Vou parar num barranco Tudo que é malandro Vem correndo atrás de mim (O trem tá feio) O trem tá feio (O trem tá feio) O trem tá feio O trem tá feio para mim (vai se fuder!)
Se eu pudesse voltar atrás (Se alguém pudesse encontrar algo mais Espero que ao menos tenham compaixão de ti) A polícia chegou, foi você que chamou? (Polícia! Não, acho que ainda é pior!) ((É pior!)) (Milícia! Então, você nunca ajudou!) ((É pior!)) (Milícia! Você nunca ajudou!) ((É pior!)) Nunca ajudou ((É pior!)) Nunca, nunca, nunca, nunca Nunca ajudou Não, não, não, não, não Eu chamaria, chamaria Chamaria de amor Quem quer que viesse de asa delta me tirar daqui Daqui, daqui Essa é só uma das voltascê pensa que eu não sei que vão me matar Não sou besta Sei o que me aguarda Só queria falar Só queria falar outra vez Nada mais importa É chegado o fim Nada mais importaNada mais importa Pra mim

Amanhã


versão para a canção do Guilherme Arantes

 May tomorrow
 Be a beautiful day
 All the mad happiness
 You could ever think of
 Come tomorrow
 May our strength be doubled
 Upwards and ceaselessly
 It shall always grow
  
 Mysteries
 Won't survive tomorrow
 Above what's illusory
 The Sun King will shine bright
 And tomorrow
 The luminosity
 Regardless to anyone's will
 Will be reigning
  
 In tomorrow
 Lies everyone's hopes
 Even the tiniest ones
 That exist and must thrive
 For tomorrow
 In spite of today
 There will come forth a road
 We shall thread in
  
 And tomorrow
 Though some just don't want to
 Belongs to those who'll wait 'til
 The break of the new day
 When tomorrow
 Hatred has been soothed
 Fear has been smoothed over
 Will be plenty
 Will be plenty
   

(Are you) The one I’ve been waiting for?


versão livre para a canção do Nick Cave and the Bad Seeds

Acho que eu lembro bem de cada vez
Que vi você sozinha andando  por aí
Será destino, será só fantasia
O que imagino ver também em seu olhar?
Me dá um sinal, eu preciso saber
Será que ainda vou te conhecer?
Não tenho pressa, tenho certeza
Sinto em meu corpo e em minha alma
Que essa espera longa vai valer
E que tudo é real
Eu sento e espero o inverno acabar E finalmente vou te conhecer
Sempre triste e sozinho eu vivi
De alguns sonhos até desisti
Seja por sensatez ou pura covardia
Mas acontece sempre que eu te vejo
Não interessa o tanto que eu sofri
Pois sei que ainda vou te conhecer
Parece insano, não é?
Amar alguém sem porquê
Mas o que eu posso fazer
Exceto amar e esperar?
Se alguém te prometeu o mundo e não cumpriu
Meu mundo é pouco mas o guardei para você
Acho que é a hora agora e já estou preparado
Para dizer o que eu sinto por você
Sinto nas veias que vão ao coração
Que algum dia vou te conhecer
Sei que algum dia eu vou te conhecer

Colors


versão livre para a canção do Black Pumas

Acordo antes das três da manhã 
Pensando o que eu posso fazer
Sempre quero algo mais
Do que sempre ser igual ao ao ao
Que passou
Logo, logo estaremos por triz
De voltar ao normal
E ser igual
Tomara que não, não, não
Que tal
Fazermos diferente?
Olharmos para frente
Deve existir um jeito
De decidir sem medo
Depende só da gente
É preciso ouvir
E refletir
Apesar de sermos diferentes
Existe sempre um jeito
De decidir sem medo
Depende só da gente
Nossos erros ancestrais
Ideias que não nos servem mais
Entranhadas, arraigadas, ofuscadas
Devem ficar para trás
Porque não ser, ter, querer, crescer
É só pensar, falar, deixar, mudar
O mundo real e o do jornal
Nunca foi igual
Ao que imaginei
E é por isso
Que eu digo que é preciso
Fazermos diferente
Existe sempre um jeito
De escolher sem medo
Depende só da gente
Há uma ideia nova 
Há uma outra opção
Existem vários jeitos
De decidir sem medo
Depende só da gente
É preciso ouvir
E refletir
Apesar de sermos diferentes
Existe sempre um jeito De decidir sem medo Depende só da gente

We don’t need God

We don't need God
We don't need God send us plagues
We don't need God
We don't believe anyway

In our backyards
Every summer we'll create
Every year 'round
Our own selfpunishment

So far from here
We see only on TV
Earthquakes to fear
Hurricanes and tsunamis

How can it be?
Why should we die?

We will be providing pain
Where nature bears only goods
Rock, greed and shame
Will grant us the best damn floods

We'll be soon mining for bodies
Through this valley pasture greens
When it comes to body count
We can be second to none

And should this death toll
Even though appear too small
If by any means it still look natural
Let's have some neglected matters
Turned to accidental fires
Where we can send people to die
Without sin or conviction
To a gas chamber in disguise
We don't need God
We don't need God send us plagues
We don't need God
We don't believe anyway

In our backyards
Every summer we'll create
Every year 'round
Our own selfpunishment

So far from here
We see only on TV
Earthquakes to fear
Hurricanes and tsunamis

How can it be?
Why should we die?

We will be providing pain
Where nature bears only goods
Rock, greed and shame
Will grant us the best damn floods

We'll be soon mining for bodies
Through this valley pasture greens
When it comes to body count
We can be second to none

And should this death toll
Even though appear too small
If by any means it still look natural
Let's have some neglected matters
Turned to accidental fires
Where we can send people to die
Without sin or conviction
To a gas chamber in disguise

Night walk

“It’s a ghost town”
People like to say it loud
Well, for a moment before dawn
I really see no one around

“It’s a ghost town”
Oh but that I've already known
For many times before the dawn
I was the only ghost around

Yet early in the evening
I parked my car around the corner
From the house where I once lived in
But was not sure should I come over

Took a deep, though silent breath
When once I'd have lit a cigarette
Made my way across the street
Trying to make some sense of it

Nasty thoughts about the future
Fight this all time homesick urge
And like a sunstroke robot figure
I kept moving back and forth, and farther

Like those things you can't explain
But that help the world make sense
I've come to find myself again
Outside my childhood school fence

Happy sad I felt this time
Happy sad had I felt then
If you came your way up here
Stay with me until the end

Somewhere around here long ago
I left a child behind in fear
To move onwards, I let him go
I dropped his hand but I got lost too

Sometimes I think I still can hear
His hushed cry inside my ears
Now, as I feel he wandering near
My eyes finally shed his tears